Início

sábado, 20 de março de 2010

Semana vaga 2

Por
Ramon Morays


O que fiz nesse sábado? nem lhe conto. Fui a uma reunião com algumas pessoas que vai me ajudar no meu livro,( que livro?, Isso fica para um outro post...) aproveitei que essa é a semana do teatro e fui assistir uma peça de uma amiga minha, e por fim, fui ao múseo, com essa mesma amiga.


Para não dizer que sou miséravel vou colocar algumas fotos, e um vídeo para vocês curtirem... Ah, e antes que me esqueça, tomamos sorvete, e beijinhos.
video
Gente esse vídeo estar irado, meu! Olhem a minha cara de babaca...
____________________________________________________

Bem sempre que acho um blog bom(eu sou bem crítico analiso tudo, o blog,os post's,as fotos e até a biografia do moderador) sempre indico as leitores desse blog, que não são poucos, apesar de haver pouco comentário, para que estes também possam ter acesso aos outros blog's. então lá vai uma indicação, por sinal eu também sou seguidor desse blog.

http://naninhasdreams.blogspot.com/

Por fim um poema meu:

A prostituta.


Sem estrelas e noite,

A lua vive a insignificância

De ser somente um satélite.

Entre a órbita da terra,

Os homens solitários

A deseja no intimo.

Enquanto pensam no agora

Ela vive sem o amanhã.

Ora, sabe que na manhã,

Quando a réstia da luz

Penetrar tua cama,

Voltará a ser solitária.


(Madrugada de 23.09.09, orla)


__________________________________________________________________________________________________


Vi umas fotos do mamonas assassinas que me mandaram por e-mail, havia esquecido que dia 3 desse mês eles fazem alguns anos de mortos. Mais como nosso blog costuma homenagear as pessoas, com eles não serão diferente, vamos curtir o vídeo clipe "Pelados em santos" da banda. valeu galera!!!!

video

_________________________________________________________________________________________________


Essa me mandaram por e-mail.


Um súdito foi até o Rei e perguntou:
O senhor que é tão sábio, poderia dizer o que é que as mulheres buscam?
O Rei, muito honesto, disse não saber qual a resposta, mas se comprometeu a sair em busca dela. E assim foi feito. Para a missão, convocou seu fiel escudeiro. Partiram os dois, com a intenção de vasculhar o reino e só voltar com a solução do ‘enigma’. Andando pela floresta, encontraram uma mulher muito feia. Uma bruxa. Horrorosa. Medonha. Eles ficaram assustados com a aparição daquela figura que foi logo dizendo, antes mesmo que eles falassem qualquer coisa:
Eu tenho a resposta que vocês buscam.
Eles se entre olharam animados. E ela continuou:
Mas antes que eu a diga, preciso ser beijada por um de vocês dois.
O Rei, sem pensar muito, foi logo incumbindo o fiel escudeiro de encarar o desafio. Durante o beijo a bruxa se transformou numa mulher muito, muito linda. Meiga. Encantadora. O rapaz começou a achar aquela situação toda muito interessante… ele poderia até casar com ela… Muito intuitiva, ela prosseguiu:
Se você quiser, poderá se casar comigo. Mas terá que fazer uma escolha. Você me vê bonita durante o dia e, assim, poderá se orgulhar perante sua família e amigos por ter uma mulher bonita ao seu lado e a noite terá que dormir com uma bruxa. Ou, ao contrário, assumir que é casado com uma bruxa e ter minha versão linda à noite, só para você. O que você prefere?
Ele, pensou, pensou e respondeu com um sorriso:
Ah… você escolhe.
E assim eles encontraram a resposta: autonomia.
O que as mulheres buscam é autonomia para poder fazer suas escolhas.

Só mesmo o Ferreira Gullar para tentar falar por elas...

Traduzir-se

Uma parte de mim
é todo mundo:
outra parte é ninguém:
fundo sem fundo.

Uma parte de mim
é multidão:
outra parte estranheza
e solidão.

Uma parte de mim
pesa, pondera:
outra parte
delira.


Uma parte de mim
é permanente:
outra parte
se sabe de repente.

Uma parte de mim
é só vertigem:
outra parte,
linguagem.

Traduzir uma parte
na outra parte
- que é uma questão
de vida ou morte -
será arte?


______________________________________________________________________________________
Sempre nos damos ao luxo de sofrer. Ao luxo de sofrer por pessoas, e as vazes nem ao menos tentamos esquece-la, pois bem, talvez não seja fácil.
Por que falo sobre isso hoje? Que nessa manhã ensolarada eu estava ouvindo músicas na rádio, e acabei escutando uma música de Ivete Sangalo, no tempo em que ela cantava na Banda EVA, a música é ‘coleção’. Que acabou levando meu pensamento ao léu, em busca de um rosto pálido e afinado, que me fez lembrar de certa pessoa que o nome não posso revelar. A letra da música tem uma parte significante para mim e para muitos. “Sei que você gosta de brincar de amores. Mas, oh! Comigo não! Comigo não!...”. Esses versos me definem por inteiro no quesito amor, pois nunca permitir que fizessem de mim coleção, sempre me imaginei sendo um inteiro não peças insignificante, que só presta para ser mais uma carta do baralho, uma dama que serve de isca para ganhar ponto no jogo. Não, não me magoei com essa tal pessoa, simplesmente a ignorei, a escondi tão dentro do meu coração, em um lugar profundo que nem eu mesmo poderia encontrá-la. E se talvez essa infeliz música não aparecesse naquele exato momento não há recordaria, não sentiria seu calor novamente e seu perfume outra vez, nem a lembrança de seu rosto. Para mim, tem que ser eterno enquanto dure, como diria o poeta. Sou e sempre serei uma pessoa unívoca! Agora lembra da música do Ney Mato grosso, “hoje eu tive um pesadelo e acordei atento, a tempo”. A tempo de recuperar o fôlego e esquecer as fantasias que estavam, mortas dentro de mim.
Ainda bem que meu blog é algo utópico!

Boa noite a todos...


0 comentários:

Postar um comentário